Archive for the ‘Magazine/Newspapers/WebNews Articles and Reviews’ Category

JAZZIZ CUBA ! January 1998

Rubalcaba is a Cuban citizen, travels on a Cuban passport, visits Cuba frequently. As such, his activities in the States have been proscribed by our legislated commercial blockade of the island, though he’s found some ways around those bounds. In fact outside of those who’ve defected, no other single Cuban musician has enjoyed Rubalcaba’s high profile and privileges here – at least not since lrakere’s triumphs during Jimmy Carter’s presidency Now, after five years of Cuban-government-approved residency in the Dominican Republic, Rubalcaba recently has been permitted to retain his Cuban citizenship while moving his family (including two children) to a home outside Miami. Miami! The pianist’s first professional engagements in that city; just two years ago, resulted in bomb threats. Miami is home to some exiles and extremists who resent anyone who does not denounce Cuba’s four-decade-old revolution, especially artists who might be construed to be celebrating it. But Rubalcaba is 34, and Castro’s Cuba is the only one he’s ever known. Chatting before an evening’s gig at NewYork’s Iridium with his U.S.based touring trio (bassist David Finck and drummer Ignacio Berroa), the trim, dark pianist reflects on his experience. “The level of social and political confrontation of Cuban musicians in Florida is more intense than anywhere else in the country However; my concern is not about acceptance by Cubans. I believe my reception should have more to do with my professional stance than my political stance,” That’s generally been the case: Rubalcaba’s musical reputation in the U.S. has been established primarily through albums issued and promoted by American Blue Note, Although to circumvent prohibitions against the transfer of hard currency to Cubans, the productions have originated with and been leased from Japanese firms. This situation has resulted in some career anomalies: Rubalcaba’s most recent recording, a complicated work titled Antigua, is currently out on japanese Toshiba/EMI. But in American record bins, his newest release is the more casual Flying Colors, a series of duets with all-American sax hero joe Lovano, produced by Lovano directly for Blue Note. “I feel each CD release is a reflection ofwhere Iam personally and professionally,” Rubalcaba explains, with the air of being slightly miffed. “Antigua features my Cuban quartet with many guests from Cuba, Dominican Republic, Puerto Rico, and it was recorded in Havana, Germany; Santo Domingo, and NewYork over two years. A huge project, an ample musical proposal, involving many different persons and a lot of my writing.” Antigua is an ambitious effort, arguably a concerto, that confounds expectations and categorizations. Flying Colors is, by contrast playfully spontaneous, sometimes moving and intimate, but not a self-conscious state-ment or result of arduous labors. On it, Lovano and Rubalcaba skip from standards by Irving Berlin, Monk, and Ornette to their own original tunes to free-jazz forays, enhancing each other’s expressions as they go. “Joe Lovano and I recorded last January, in one day-long session in New York” Rubalcaba says, He’s proud enough of their pairing. ‘The most important thing about Joe Lovano, amongst the whole wave of musicians who’ve cropped up in the last 15 years,” he says, “is that he’s knowledgeable about jazz from a historical point of view, but he’s found his own proper voice, an inner voice. As collaborators, Lovano and I share certain preoccupations with bnnging back aspects ofthe music of the past, and that’s why we’ve come together as we have. We share a sense of responsibility perhaps devotion, to maintaining and building upon certain styles, discovering new ways to expand upon their fundamentals:’ ”The thing about Gonzalo that’s so beautiful:’ Lovano points out, “is, sure, he’s a virtuoso, but he’s also a really sensitive player who doesn’t fall in anyone bag. I’ve never felt for a second that he’s forced me to play over a groove or a vamp, or laid out anything and said, There, just play over it.’ More than the tunes we play, it’s the way we’ve played together; our communication, our freedom within the beat, and the concept of trying to shape the music and create each tune that makes what we do happen.” Of course, they’re well-matched: Lovano is from a firmly rooted musical Cleveland family. He trained on-the-job, polished his skills at Berklee, and tested himself for two decades in crucibles of jazz, professionalism. A voracious instrumentalist, Lovano comes off as a hearty neighborhood guy, typically prevailing with bop-to-Tranebased bluesy and urbane songs. His great strengths are outgoing forthrightness, warmth, energy, and conviction. In comparison, Rubalcaba’s jazz background is less pronounced than his bold command of European classical traditions (particularly late Romanticism) and his seemingly intuitive grasp of specifically Cuban forms. Indeed, he exudes Afro-Cubanismo, and almost immediately upon taking a seat at the piano will summon up melodic conceits as wide and deep as the ocean, aswirl with harmonic complexities and raging crosscurrents of polyrhythmic swing. Although often propulsive and indelibly Latin, Rubalcaba’s sound is less confined than ennobled by its Cuban sources. His is an expansive music for listening, and listening is one of his best skills that’s demonstrated by the connections he forged with American-born jazzmen including Dizzy Gillespie and Ron Carter. “I’m beginning to work with a lot of different musicians,” he says,'”which has advantages and disadvantages. These increased contacts have helped me grow musically; but at the same time, they’ve introduced irregularities that don’t exist within a steady band or group or collective. I’d like to establish more stability soon.” He retains ties to his longtime Cuban band members, but trumpeter Reynaldo Melian still lives in Cuba, and drummer Julio Barreto has been touring with Roy Hargrove’s Crisol. During his youth, Rubalcaba knew his current drummer, Ignacio Berroa, as a Havana session star: “Ignacio is a great musician: he plays very well straightahead and, at the same time, knows the Cuban music perfectly.  Does it help if my accompanists know Cuban music? That depends on the capacity of each musician as a person. The problem is not that of nationality as much as talent and creativity. Ignacio is Cuban, yes, and we have very good communication onstage, But I also have good communication with David Finck, who is American, with John Pattitucci. Lewis Nash, Jack Dejohnette, Charlie Haden, Joe Lovano, and many others.” He laughs, as if astonished, at the current explosion of Cuban music. “There certainly are right now more productions by Cuban musicians and recognition of the talents of Cuban musicians in the US. than before, a more relaxed attrtude toward the consumption of Cuban music than ever in my lifetime. There seems to be less fear, and so less control, over the way Cuban music is disseminated in this country. That affects the consumption and appreciation of music from Cuba, surely But I don’t think I’ve played a big part in this. I am just a small grain in the appreciation of Cuban music, and each Cuban musician who’s come here has contributed to the greater appreciation of that music.” And what about the downsides of his relocation? “Every move you make that’s in contradiction to the way you grew up causes a certain feeling of displacement;’ Rubalcaba allows. “I believe the most difficult thing is to maintain the culture and the morals with which you’re raised and, at the same time, assimilate or understand the traditions of the country you’ve come to. Even if you’re not submersed in each and every aspect of this place you’ve come to live in, it’s a good idea to try to understand.”

Rubalcaba’s education in the ways of the United States has been swift. Discussing the music business, Gonzalo sounds like a native jazzman: “Living in the States has accelerated the immediate responsibility I have with advancing my music,” he sighs.”I have a much more direct relationship now with the promotion and marketing of my music. That’s the worst part of my work now. “The best part is to play – and there’s no comparison. But I believe I have to work within that system. And I also think, if I don’t import some of my own conditions, the system could envelop me. Ithink it’s very important that every musician have a program as to how to deal WITh their music and, most of all, to keep sight ofthe music’s creative concept.” Wasn’t that true, too, in Cuba? He shrugs. “There are certain things in my life that haven’t changed and that probably will never change, For me, thinking about how to compose – which ideas to expand, which to discard – those kinds of thoughts go on constantly; wherever I’m on tour; wherever I’m at home. That part of the creative process must always take place.” Maybe the obligations of creativity take precedence over an artist’s nationality. Rubalcaba seems relieved by the suggestion. “What makes me most happy” he says, “is what I’m working on professionally, musically Within this terrain, I encounter all my ideology, all my beliefs, all my perceptions. It’s this professional terrain that I’ve dedicated my life to, So, I have more and closer contact with America now? Am I the same player as before I moved here?  I hope that every day I’m a different player:”

Howard Mandel attended the first Jazz festival In Varadero, Cuba in 1981. He first heard Gonzalo Rubalcaba’s Grupo Projecto in Berlin in 1986.

Jazz Pianist Rubalcaba Leaves Crowd on it’s Feet….It’s not just his speed, it’s his touch … It’s not just his touch, it’s his ideas”

It’s not just his speed, it’s his touch It’s not just his touch, it’s his ideas”

By MARTY HUGHLEY The Oregonian staff

The last time that Joe Pass, the late, great jazz guitarist, played in Portland, several years ago, he made a joke between songs. He imagined; he said  a magnificent concert with some of the most accomplished musicians of our time: Andres Segovia, Itzhak Perlman, Vladimir Horowitz, etc. After the concert, all the musicians stay at the same hotel, then meet again in the morning. Over breakfast, they say to each other admiringly, “Man, you really played fast last night” Pass’ point was that speed itself  isn’t a musical value, merely a technical consideration.” Cuban pianist Gonzalo Rubalcaba can play very fast and while his remarkable facility has been much noted, many critics have seemed suspicious of it . In his Saturday night solo performance at the Aladdin Theatre, Rubalcaba proved right off the bat that he’s no mere speed demon. Opening with a slow, ruminative ballad, he displayed a variety of other gifts – a strong yet refined touch that coaxed marvelous tone from the Steinway grand piano, a sensitivity to space that led him to let certain notes linger till the edge of their resonance before softly laying the next phrase over them, a romantic warmth working hand-in hand (so to speak) with an intellectual vigor. He picked up the pace in his second selection, improvising a minute or more of introduction to what turned out to be Thelonious Monk’s “Well You Needn’t”  He never did state the melody in full.  Rather, he took snippets of the song’s jauntily angular theme and extrapolated from them in varying directions substituting chords, re-contextuallizing a few notes at a time, probing the rhythmic possibilities implied in Monk’s catawampus phrasing. It was as if a jeweler were to take a single diamond necklace and remake the materials into a store full of rings, pendants, brooches and bracelets. ” Speed can be put in service of musicality, of course, as Rubalcaba showed in a dazzling version of George Gershwin’s “Fascinatin’ Rhythm.” At one point, Rubalcaba splashed imaginative bass chords with his left while his right hand executed a rapid. repeated figure for what seemed like an eternity; it almQst made the muscles Qn the top of your hand ache just from watching it. Rubalcaba played two sets, each slightly less than an hour  long. At intermission, the crowd of approximately 350 fans was abuzz, likening his skills to Canadian classical virtuouso Glenn Gould and avant-garde master Cecil Taylor. “It’s not just his speed, it’s his touch,” one person said. “It’s not just his touch, it’s his ideas,” countered another. And indeed, Rubalcaba’s ideas rhythmic, harmonic and especially melodic – held together even at his sometimes breakneck pace of exposition. His store of different approaches, fingerings, stylistic references, etc. – seems inexhaustible, yet he always made graceful, unhurried transitions between them, never seeming to be just grabbing at whatever came to mind. His playing also displayed considerable wit at time, something not always evident when he work in group settings. Several standing ovations ended the night. And Rubalcaba fans now hope the speediest thing, about him will be his return.

Supernova of Sound by Susan Pineda for Adelante

Fire and energy reunite in an explosion that expands light and silences sound …for an instant. melodic glimmers emanate from this nebula with just one star: Gonzalo Rubalcaba is the master of his own cosmos, although he belongs to a galaxy of great musical constellations. The musician whose father, Guillermo Rubalcaba, helped introduce the world to the cha-cha-cha, and whose grandfather, Jacobo Gonzalez Rubalcaba, composed the famous”El Cadete (The Cadet),” has not let the light of his rising comet go dim. His most recent production, Supernova; won the Latin Grammy for the best Latin jazz album of 2002. His collaboration with Charlie Haden in Nocturne, which also won a Grammy this year, is praiseworthy as well. With classic training, this  Cuban pianist and composer took an early turn toward jazz, and from that moment, his career has continued to ascend.

“Supernova” is another step forward ,” said Rubalcaba in a recent telephone interview with Adelante. Because without moving forward, he added, “it’s like standing still in time.  In the twenty years that Rubalcaba has created his sound, he has expanded the musical firmament. This piano virtuoso continues to sound the enduringly rich depths of the music of his fatherland. “Cuban music continues to need formal spaces, and not in a way that’s cliche,” he observed. Convinced that music is neither created nor invented, but restructured and evolved, Rubalcaba took the hits of yesteryear – the beloved “Alma Mia (My soul)” of Maria Grever, the unforgettable “El Manicero (The Peanut Vendor)” and the unequaled “EI Cadete,” – and sent them into a fresh orbit. His sparkle· poesn’t hide behind the incandescence of these classic stars, however, but proceeds from a unique source with its own light resulting·in a synergy between the genius of the past and the present. “The challenge of taking things on again that have already passed their peak, is to seek.a reason for keeping them alive,” he explained.  This reason, which Rubalcaba has managed to balance with a precise dexterity, dwells in the symbiosis between the knowledge of yesterday a the exploration of tomorrow. To revolve around the richness of Cuban and Latin American rhythms. and return to a classical axis, forms Rubalcaba’s universal style. And that’s because it is a minimalist musical expression given that the essence of minimalism is not the scarcity of details and decorations, but the abundance of space. Rubalcaba provides this space, enough to ponder and to set afloat in the periphery of our consciousness. The whisper and the explosion of the keys exquisitely move one toward the insomnia of the subconscious. Columbia will form part of this exploration when Rubalcaba lights up the spirits, stands time still and explodes in a carnival of melody on Dec. 5, in an event organized by the “We Always Swing” Jazz Series in an annual fundraising concert dedicated to the late Dr. Carlos Perez-Mesa, a tireless collaborator with the series. “All the places where one finds oneself contain a mystery, Rubalcaba observed, with respect to his imminent visit to Columbia. “One never knows what will happen.” Meanwhile, Rubalcaba’s phosphorescence will continue to live as long as this vital star continues to rise with each new day. “May the music awaken, just as I awaken every day,” he concluded

Rubalcaba finds the tears in the piano- Boston Globe

By Richard  Dyer

Globe Staff

No musical attraction of the weekend drew a more distinguished audience than the Cuban jazz pianist Gonzalo Rubalcaba,

who appeared at the Regattabar with bassist Ron Carter. Among the interested listeners on various nights were jazz historian and musical polymath Gunther Schuller, pianists Andrew Rangell, Russell Sherman, and a host of Sherman’s students; Christopher Lydon, pianophile and host of WBHR’s “The Connection”; Pops conductor laureate John Williams; and BSO music director Seiji Ozawa. This listener will leave praise and analysis of Rubalcaba’s jazz’ invention to better-qualified commentators (including Dizzy Gillespie and Charlie Haden) – he is fully aware that the admiration of people from the world of classical music is the kiss of death to people active in or interested in jazz. But it is nevertheless necessary to report that Rubalcaba stands in the company of the great pianists active today in any genre of music-making. Rubalcaba’s numerous recordings document dazzling speed, accuracy, alacrity of attack, and variety of touch – “it has to be the product,” Sherman observes, “of thousands upon thousands of hours practicing the exercises of Czemy and Hanon.” Saturday night at the Regattabar we heard a little of that virtuosity – some octaves, repeated notes, trills, and keyboard-spanning passagework that would convey as much in Liszt or  Chopin as they did in Rubalcaba’s jazz playing. His fleshy fingers have to work to produce a harsh, driving sound, but he can create one when he wants to; he also boasts a singing legato that he creates with his touch, not with the pedal- he employs finger substitution even more than an organist would.

Saturday’s quite in-drawing set with Carter also revealed  another quality, something unique in this listener’s experience of pianists. There is a quality in singing as rare as it is highly prized – “les larmes dans la voix,” the French call it, “tears in the voice.” Claudia Muzio had it, and the young Pavarotti, and, perhaps above all others, Callas, in the second act of “Traviata” 0r the final scene of “Norma.” It is not a quality that one ever expected to hear from a piano or a pianist, but one heard it,  felt it re-peatedly in Rubalcaba’s playing as it delivered its message from heart to heart.

Piano & Keyboard – The 20th Century – November/December 1999

Gonzalo Rubalcaba, an outstanding young jazz pianist, has recently begun to incorporate some characteristics ofhis Cuban roots into his otherwise pure jazz stylings. Jazz, born in America early in the century, has become an international language by the century’s end as artists from other cultures infuse this language with qualities and rhythms that reflect diverse backgrounds.

Jazziz Magazine June 20, 2009

GONZALO RUBALCABA – AVATAR

rubalcaba_avatar

Gonzalo Rubalcaba

Avatar

(Blue Note)

Over the course of his two decades in the jazz swim, consummate Cuban-born pianist Gonzalo Rubalcaba has pursued multiple directions and projects, in sync with his restless muse. With his latest, Rubalcaba has assembled a solid band of NYC players – including saxist Yosvany Terry (also of Cuban heritage), trumpeter Mike Rodriguez, bassist Matt Brewer, and volcanic drummer Marcus Gilmore – and thrown them into the artistic fray with minimal rehearsal and preparation. Taking his album title from the renowned NYC studio, the leader is clearly celebrating a New York state of mind and musical intensity, with much to admire in the end result.

From the first minute of the recordings through his solo piano musings opening “Looking in Retrospective,” we’re reminded of his remarkable – even classic? – solo album. But once the band enters the sonic picture, it’s clear that Rubalcaba is embarking on new turf this time, with less of a direct link to his Cuban roots than in earlier ensembles, and with rhythmic assertions reminiscent of such models as Chick Corea’s acoustic bands, the late period Tony Williams quintet work, and M-BASE math funk.

A team player and symbiosis-seeking leader, Rubalcaba himself keeps a fairly humble, integrated role in the band. Terry supplies a few of the tunes, including the snaky-yet-swinging odd-time excursions of “This Is It” and “Hip Side.” Rubalcaba’s brisk original “Infantil,” dedicated to John McLaughlin, gives the pianist a ripe forum for his probity and crystal brilliance at the keyboard. Virtuosic flights aside, though, it may be his burnished reading of Horace Silver’s haunting ballad “Peace” that best illustrates how Rubalcaba has evolved and matured over the years. Here is one deep, and deepening, player, now settled in the uppermost ranks of living jazz pianists.

– Josef Woodard

Gonzalo Rubalcaba é dotado de uma técnica prodigiosa, com uma profunda imersão e conhecimento do jazz, com fortes raízes na nuance rítmica Afro-Cubana (Revista Downbeat).

Gonzalo Rubalcaba Quinteto

Gonzalo Rubalcaba é dotado de uma técnica prodigiosa, com uma profunda imersão e conhecimento do jazz, com fortes raízes na nuance rítmica Afro-Cubana (Revista Downbeat).

Gonzalo Rubalcaba Quinteto

19/11/2010

Virtuoso pianista, Gonzalo Rubalcaba é um músico que desenvolve uma linguagem musical com uma componente fortemente rítmica e influenciada pelas sonoridades da América Latina, assumindo o piano, na sua dimensão quase percussiva, uma influência na criação de uma dinâmica que sobrevive através de um conhecimento aprofundado das potencialidades do instrumento.

Depois de ter estado na quinta edição do Guimarães Jazz, em 1996, o pianista, vencedor de dois Grammys, repete a sua presença no festival.

Será interessante sentir as diferenças entre este concerto e aquele a que pudemos assistir há catorze anos atrás, percebendo que a evolução deste músico é de certa forma também uma manifestação visível da evolução do próprio festival.

Para ver no palco do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, dia 19 de Novembro.

 

João Bosco e Gonzalo Rubalcaba: música e alegria (foto: www.puntolatino.ch) (www.puntolatino.ch)

Cuba e Brasil nas mãos de Gonzalo Rubalcaba e João Bosco

Músicas brasileiras com um toque cubano. E músicas cubanas com um toque brasileiro. Assim é o show de dois grandes músicos: Gonzalo Rubalcaba e João Bosco, que acabam de passar pela Suíça.

“É um encontro porque as culturas se fundem, mas não se sobrepõem”, define João Bosco. Nas apresentações que fazem pela Europa, eles reservaram dois dias à Suíça – Basiléia e Zurique. Até dia 12 de novembro, passarão por Espanha, Portugal, Áustria e Alemanha.

Homenagem a Moacir Santos

De acordo com o músico brasileiro, os dois são exigentes e querem gravar um repertório capaz de mostrar a musicalidade dos dois países – não apenas selecionar algumas composições. “Acho que no próximo ano poderemos produzir um disco com esse trabalho”, diz o pianista Gonzalo Rubalcaba.
A segunda música do show foi uma espécie de homenagem ao maestro pernambucano Moacir Santos, falecido recentemente, com a apresentação de April Child. “Queria muito que estivesse vivo para que ouvisse essa interpretação”, explica João Bosco. Para ele, os dois puderam brincar com as divisões rítmicas insólitas criadas por Santos. “Foi um maestro negro, escreveu como arranjador negro e compositor negro. Isso tudo toca muito a gente e sua música tem um ritmo fascinante”. O espetáculo começa com música brasileira, Senhoras do Amazonas, de João Bosco, e termina com a cubana Drume Negrita, de Ernesto Grenet.

Pureza na mistura

São acompanhados por Nelson Faria (guitarra), Ney Conceição (baixo) e Kiko Freitas (bateria), que há muito tocam com João Bosco. Em todo o repertório pode-se perceber a presença das duas culturas. Conhecidas músicas da bossa nova como Desafinado, de João Gilberto, ou mesmo Fotografia, de Tom Jobim, ganham um toque cubano, conferido pelo piano de Gonzalo.

“As duas culturas têm suas origens na mistura. A nossa pureza é a mistura e queremos experimentar um repertório para que Cuba e Brasil possam se fundir numa ambiência internacional com outros ritmos que também gostamos, como o jazz”, explica João Bosco.

Durante duas horas, sem pausa, o público acompanhou em Basiléia os caminhos musicais traçados pelos dois artistas. E marcaram o compasso do contagiante ritmo afro-latino com a discrição européia: leves movimentos dos pés ou das cabeças.

swissinfo, Lourdes Sola, Basiléia

25/08/2003 – 02h35

Gonzalo Rubalcaba apresenta-se em Ouro Preto e em São Paulo

CARLOS CALADO
Especial para a Folha de S.Paulo

Paulistas e mineiros terão a chance de apreciar mais uma vez, ao vivo, a música de um dos mais brilhantes instrumentistas de Cuba. O pianista e compositor Gonzalo Rubalcaba, 40, vai se apresentar dias 30 e 31, pela Mostra Sesc de Artes, em São Paulo. Depois encerra a primeira noite do Tudo É Jazz – Festival Internacional de Jazz de Ouro Preto, que acontece de 4 a 6 de setembro.

Falando à Folha por telefone da Flórida (EUA), onde vive, Rubalcaba diz que não se lembra de quantas vezes já tocou no Brasil. Desde 1991, quando estreou em São Paulo à frente do Grupo Proyecto, participou de festivais de jazz, como dos extintos Heineken Concerts e Free Jazz, além de tocar em algumas casas de shows. Três anos atrás, na última temporada paulista, firmou no palco parceria com os brasileiros João Bosco e Ivan Lins.

“Para mim, assim como para outros artistas, o mercado musical brasileiro é um dos mais difíceis no mundo. Não porque falte sensibilidade aos brasileiros, mas porque eles são muito exigentes. Essa exigência se explica pelo nível muito alto da criação brasileira. Por isso, tocar no Brasil é sempre um desafio, mas um desafio muito saboroso”, diz o pianista cubano.

Lirismo

Introduzido na cena internacional do jazz por ninguém menos que o norte-americano Dizzy Gillespie, em 1985, Rubalcaba despontou rapidamente como novo talento desse gênero.

Filho do pianista Guilhermo Rubalcaba, forjou um estilo bastante pessoal e lírico, que mescla influências de mestres do jazz, como Thelonious Monk, Keith Jarrett e Bill Evans, com a rica tradição musical de Cuba.

Além do jazz, a música brasileira também tem um lugar especial entre as fontes sonoras de Gonzalo Rubalcaba.

“Há muitos elementos comuns na música de Cuba e do Brasil, não só em termos de forma, mas também a atitude dos brasileiros, seu caráter e sua personalidade. É muito bonito ver que, apesar de tanta distância geográfica, há muitos valores e códigos dentro de nossas tradições que se relacionam”, analisa.

Essas afinidades, segundo o pianista, facilitam seu diálogo musical com o Brasil.

“Quando toco com João Bosco, com Ivan Lins ou outros brasileiros, eu não preciso usar códigos da música brasileira. Tocando somente com a experiência da música cubana, sinto que elas se unificam da melhor forma. Embora se acredite, mundialmente, que a música cubana é 90% ritmo, eu penso que há um erro nessa idéia. O cubano também é muito romântico, é muito melódico –fatores esses que também determinam a música brasileira”, diz.

Desta vez, tanto em São Paulo como em Ouro Preto, Rubalcaba vai exibir seu conhecido talento de solista. Somente nos shows da Mostra Sesc de Artes contará com a participação especial da cantora carioca Leny Andrade.

“Não me recordo de ter tocado com ela, mas já nos encontramos em vários países. Além do grande respeito musical que tenho por Leny, sinto um carinho incrível por ela. As ligações afetivas sempre ajudam muito a que nos entreguemos mais na música”, diz o pianista.

Outra cantora brasileira elogiada pelo instrumentista cubano é a paulista Luciana Souza, que também faz parte da programação da mostra do Sesc e do festival de Ouro Preto. “Luciana tem um enorme talento. É uma artista batalhadora, com um trabalho bastante positivo e profundo”, avaliza Rubalcaba.

Quanto ao repertório de suas apresentações, o pianista cubano é mais evasivo.

“Para mim é sempre difícil antecipar o programa de meus concertos”, diz, observando que, apesar de estar atualmente mais concentrado no repertório de seu último disco (“Straight Ahead”, de 2002, que inclui composições próprias e releituras de clássicos do jazz), nem sempre o toca.

“Só quando estou no palco, sentindo a energia da sala e da platéia, é que eu realmente decido o que vou fazer”, afirma Rubalcaba.

Carlos Calado é crítico de música e autor de “O Jazz como Espetáculo”, entre outros livros

Pianista cubano Gonzalo Rubalcaba toca na Sala SP 07 de abril de 2010

Projeto Guri reúne seu coral com o músico e a banda Mantiqueira em encontro inédito em São Paulo

Roger Marzochi – Agência Estado

“Eu sempre digo que a vida é uma ilusão. Quando ela morre ou desaparece, tudo morre.” A frase do pianista cubano Gonzalo Rubalcaba, em entrevista à Agência Estado, por telefone, revela o desafio de estudantes de música em transformar sonhos em realidade e o papel da arte na sociedade. O músico veio ao Brasil a convite do Projeto Guri para realizar na Sala São Paulo, às 21 horas, um encontro inédito com a Banda Mantiqueira e o coral dos meninos do projeto, a fim de divulgar o novo programa da entidade, que visa financiar os estudos de ex-alunos que optaram pela música como profissão. A “ilusão” do menino que respirava música em sua própria casa, por onde circulavam Frank Emilio, Peruchin, Felipe Dulzaides, que visitavam seu pai, o pianista Guillermo Rubalcaba, levou-o primeiro à bateria e, depois, ao piano, com o qual chegou a tocar com Dizzy Gillespie e a vencer até um Grammy de Jazz Latino com o disco “Supernova” escolhido como o melhor em 2002. Mas em seu último disco, “Avatar” (2008), ele revela outro importante motor rítmico da sua arte. “O que se passa em nível local, nacional e além da fronteira? Quais são os ares que estão soprando nesse momento na gente que trata de reorganizar o passado, a tradição?”

Ele também vai fundo na tradição musical cubana, dando-a novos arranjos e enxergando “portas” e “janelas” para expandi-las, tem também outra preocupação da relação entre o “antigo”, o “velho” e o “atual”. Além dos “ares” da arte, no fundo, ele também fala em sua música instrumental de política. Mudou-se de Cuba em 1992 para Santo Domingo, e depois, em 1996, para os Estados Unidos. Ele não gosta de falar sobre a situação em Cuba, mas afirma: “o fato de viver fora de Cuba explica muita coisa.”

Qual o significado desse show para você, uma vez que é uma iniciativa do Projeto Guri para divulgar o novo programa para dar suporte financeiro a seus ex-alunos?

Tem um significado nobre. E, também, de muita esperança e muita ilusão. E eu estou sempre disponível para qualquer tipo de evento que estenda a mão ao talento que está para se formar. Por outro lado, vir ao Brasil uma vez mais e tocar com uma banda como essa (Mantiqueira), me dá a possibilidade de conhecer um pouco mais sobre a música brasileira. E eu penso que fazer isso pessoalmente, terá uma transcendência muito maior que ouvir um disco. A Alessandra (Alessandra Costa, diretora executiva da Associação Amigos do Projeto Guri) que pensou nesse evento é uma pessoa muito afortunada por tomar essa iniciativa.

O que o levou até seu último trabalho, “Avatar” (2008)?

“Avatar” é olhar ao redor. O que está acontecendo? O que existe? Primeiro o contexto mais imediato do que se está vivendo. Depois, o que se passa em nível local, nacional e até além da fronteira? Quais são os ares que estão soprando nesse momento na gente que trata de reorganizar o passado, a tradição? Esse é o primeiro ponto. Aí descobri que tem uma série de jovens que estão conectados com uma mesma visão sobre como fazer música. Falo de jovens com 10 a 15 anos menos que eu, que começam a definir outras tendências de se projetar musicalmente. E, tudo isso, em um contexto muito agitado como é Nova York, com uma forte convivência cultural formada por americanos nativos tratando de preservar sua memória, os latino-americanos chegando, assim como os europeus e asiáticos. Essa geração da qual estou falando, no grupo de gente de Avatar é, até certo ponto, representativo de um coletivo tanto americano como latino, como cubanos, que tem a mesma aspiração: a integração.

Há obviamente uma questão política dos ventos que sopram nesse processo? Qual a opinião sua com relação a Cuba? É algo que você gosta de falar, ou você diz isso em sua música?

Está dentro da música. Mas o fato de viver fora de Cuba explica muita coisa. Isso vale para qualquer cidadão do mundo. O fato de deixar sua terra, deixar suas coisas, sua história para trás, e se aventurar a buscar um espaço fora do teu lugar, de competir fora do seu lugar. O fato de encontrar tribuna, cenários e estruturas fora do contexto já fala por si só.

Percebi que você não gosta de falar sobre isso.

Nunca o faço. Se faço, digo de maneira respeitosa. Da forma que não esteja fazendo uma luta a quem pensa diferente. Pelo contrário. O mais importante é escutar todos os lados. O mais importante é somar todas as opiniões. E essa soma é o sinal que se pode dar para uma opinião balanceada sobre Cuba ou sobre qualquer outro tema. Cada setor da sociedade sabe em que medida dizer a realidade que está vivendo. Em termos gerais, Cuba precisa do mesmo espírito da Revolução de 59. O que quero dizer com isso? Creio que há muito tempo a chamada Revolução acabou.

Sobre o show, será a primeira vez que você tocará com a Mantiqueira?

Sim.

Qual será o repertório?

Será basicamente brasileiro, com músicas de João Bosco, cuja obra eu conheço bastante. Terá as obras originais da orquestra também. Vou fazer alguma coisa sólo, vou tentar colocar duas peças de origem cubana tradicionais, com novos arranjos. Mas o som será, basicamente, muito brasileiro.

Todas as músicas tradicionais cubanas as quais você vem preparando arranjos e a base rítmica cubana têm essa transcendência também?

Tenho um critério sobre o antigo, que não é necessariamente o velho. O antigo nunca vai criar resistência a permanecer como parte do atual. Porque o antigo contém bases sólidas que determinam, ou determinaram, a atualidade. Se falarmos do velho, falaremos de coisas que serviram em algum momento, mas morreram, caducaram. E desapareceram porque não encontram função na atualidade. O antigo já mantém indicando um caminho cheio de valores e posições que podem conviver ou servir de estímulo para o que se faz na atualidade. Não estou dizendo que se deve repetir o antigo. Seria um erro.

No show, você comentou que pretende tocar duas músicas tradicionais cubanas. Quais são elas?

Cuba é muito rica em repertório. Tem muitos estilos. Mas me chama muito a atenção a época da Trova Tradicional, a Trova Antiga. Nessa época, se punha muito interesse num balanço entre a poesia, a função da harmonia e o motor rítmico. Havia uma integração, a música surgia como um todo, tanto no conceito métrico quanto harmônico, como uma ferramenta dramática para dizer a história por meio da poesia. Essa época foi extremamente importante para a música cubana. Estou falando de um gênero que contém tudo, letra, música, formato instrumental. Havia um pensamento virtuoso de como dizer a música, como dizê-la, como estruturá-la. Um tema muito significativo dessa época é a música Longina, uma música chave do período. Longina era mulher, supostamente pelo que diz a letra, voluptuosa com uma série de atributos tremendos. Mas era a capacidade que tinha o autor para descrever o que via, sem cair em nada banal, comum. E sim, a partir da realidade, tomava-se um voo de inspiração tão alto esses senhores quando narravam o que viviam que é o faz dessa uma obra permanente.

E no show você pretende tocar essa música?

retendo tocá-la porque tem muitas portas que se podem abrir. Portas e janelas para encontrar um modo atual de projetá-la. É uma proposta que segue dando oportunidades para trabalhar. Essa é a razão de ligar-me a ela, e minha possibilidade como músico. Quando encontro essa possibilidade, com um respeito tremendo com a música original. Mas essa possibilidade me toma muito tempo. Eu creio que seria infeliz de fazê-la exatamente como quando a criaram. Para homenageá-la tem que se encontrar um cenário apropriado. Onde está o ponto em que a música permite a troca ou a expansão? Para mim, é muito difícil fazer isso. Eu busco documentos sobre a música, a estudo, até me convencer de uma forma respeitosa.

Return top
 
PolandChinaRussiaBrazilHungaryItalyFrenchTurkeyPortugalSpainJapanGerman