Il trionfo Italiano di Gonzalo Rubalcaba

12 maggio 2010 Il trionfo italiano di Gonzalo Rubalcaba

di Franco Fayenz

Sei anni or sono, a fine maggio, il club Blue Note di Milano ospitò per alcune sere il pianista cubano Gonzalo Rubalcaba in veste di solista. Fu una rivelazione, almeno dalle nostre parti e per gli ascoltatori più attenti, che si ripetè cinque mesi dopo nei concerti di Musica per Roma. Rubalcaba, che oggi ha 47 anni, non era di certo uno sconosciuto. Figlio d’arte, maturato come pianista e compositore attraverso severi studi classici e poi jazzista per scelta, aveva ottenuto successi in tutto il mondo e vinto un premio Grammy dopo che il contrabbassista Charlie Haden, in tournée a Cuba nel 1986 con la sua Liberation Music Orchestra, lo aveva ascoltato per caso e ne era rimasto entusiasta. Quattro anni più tardi lo portò con sé in Svizzera al Festival di Montreux, in trio con Paul Motian alla batteria, proiettandolo nell’élite internazionale dei musicisti di jazz. Ciò malgrado numerosi critici (anche e soprattutto italiani, si direbbe) non accreditarono mai Rubalcaba di quella marcia in più che fa di un pianista un grande pianista. Ma il motivo, nascosto e inconsapevole, c’era. Rubalcaba, nei concerti e nei dischi, si esibiva sempre in piccoli gruppi, dal duo al sestetto, rinunciando sempre – è naturale che sia così – a una parte della propria personalità per concorrere a formare quella del complesso. Qualcosa, quindi, rimaneva in ombra, e non erano sufficienti un paio di cd solitari a fare piena luce sulla sua vera statura. Nel 2004, a Milano e a Roma, alcuni esperti hanno capito, e di conseguenza hanno cercato di rivedere la sua biografia artistica e di riascoltare con la massima attenzione i suoi cd, però a livello di pubblico non è bastato. Adesso Rubalcaba si è presentato da solo al quindicesimo Festival internazionale del jazz di Vicenza (tuttora in corso). Fra grandi nomi come Joshua Redman, Brad Mehldau, McCoy Tyner e il batterista ottantacinquenne Roy Haynes poteva perfino passare inosservato. Qualcuno, fingendosi poco al corrente delle sue vicende, gli ha chiesto la ragione della sua solitudine. «E’ una decisione che ho preso qualche tempo fa» ha risposto «e ormai le eccezioni a questa mia regola sono sempre più rare. Mi sono accorto che suonando da soli si è completamente liberi; in due si è meno liberi, figuriamoci in un gruppo. Io lo so bene, e so pure che l’improvvisazione in solo implica maggiori rischi, ma vale la pena di correrli». Il suo concerto ha avuto luogo nell’incanto del Teatro Olimpico, naturalmente senza amplificazione. La bellezza della sala ha sollecitato Rubalcaba a dare il meglio, lo ha detto lui stesso. Ha iniziato in modo quasi sommesso, prendendo quota nota dopo nota. Ha messo in evidenza tecnica, tocco, tatto (le famose tre t del pianista russo Nikita Magaloff), un fraseggio nitido e superbo, velocissimo dove occorreva, e una perfetta indipendenza delle mani. Seguendo una discutibile abitudine, molti gli hanno cercato nel jazz un pianista progenitore. Ma al massimo ce n’è uno solo, per virtuosismo e geniale inventività, ed è il sommo Art Tatum. Verso la fine del concerto è affiorata l’anima neolatina di Rubalcaba in un tema che gli è caro, Besame Mucho, e nelle prodigiose variazioni con cui ha abbellito il poco noto Peanut Vendor. E’ stato un trionfo, e questa volta lo ricorderanno tutti.

12 maggio 2010


Gonzalo Rubalcaba – Profile

Gonzalo Rubalcaba (born May 27, 1963 in HavanaCuba) is a Grammy Award-winning Cuban jazz pianist and composer.[1]

Gonzalo Julio Gonzalez Fonseca was born in Havana, Cuba, May 27, 1963, into a musical family rich in the traditions of the country’s artistic past. During his childhood, in addition to the standard fare of elementary schools, Gonzalo was absorbing his Cuban musical heritage through personal contacts within his family, notably his father, pianist Guillermo Rubalcaba, and leading musicians who were frequent houseguests: Frank Emilio, Peruchin, Felipe Dulzaides and others. He also assimilated through scarce and treasured recordings the tunes and styles of 40’s – 70’s US jazz masters: Thelonius Monk, Bud Powell, Oscar Peterson among pianists; and instrumentalists Charlie Parker, Dizzy Gillespie and Art Blakey.

Initially he studied both piano and drums. He began his classical musical training at Manuel Saumell Conservatory at age 9, where he had to choose piano; he moved up to “middle-school” at Amadeo Roldan Conservatory, and finally earned his degree in music composition from Havana’s Institute of Fine Arts in 1983. By that time he was already playing in clubs and music halls in Havana.

Gonzalo Rubalcaba has received 14 Grammy nominations (wining 2 Grammys for Nocturne and Land of the Sun, and 2 Latin Grammys for Solo and Supernova) including four for Jazz Album of the Year (Rapsodia in 1995, Antiguo and Inner Voyage in 1999, and Supernova in 2002). He received the Palme d’Or from the Music Academy in Paris in 1991. He also received 2 “Best Performer” awards for “Suite 4y20″ and “Rapsodia” in 1992 and 1993 respectively. In 2008, Gonzalo was awarded the “Vanguard Award” by The ASCAP Foundation for “charting new directions in Jazz”.

Egrem Studios of Havana was the first to record his music during the early and mid ‘80’s, and these discs are still being released (recently Inicio, an album of piano solos, and Concierto Negro.) With Orquesta Aragon he toured France and Africa in 1980. He introduced his own Grupo Projecto to the North Sea and Berlin Festivals in l985. Beginning in 1986 Gonzalo began recording for Messidor of Frandfurt, Germany, and put out three albums for that label with his Cuban Quartet, Mi Gran Pasion, Live in Havana, and Giraldilla.

In 1986 he had a chance meeting in Havana with bassist Charlie Haden. Through Charlie Haden he came to the attention of Bruce Lundvall president of Blue Note Records, and thus began an association, first with Toshiba/EMI of Japan, and later with Blue Note in the US, which has resulted in the release of eleven discs. In July 1990 he appeared as a surprise guest with Charlie Haden and Paul Motian at the Montreux Festival, Switzerland, released on the CD titled ‘Discovery’). In June 2001 Gonzalo received the SFJAZZ Leaders Circle Laureate Award, and in 2002 he performed as Artist in Residence at Montreal Jazz Festival together with Chucho Valdez.

In 2002, these collaborations brought him both a Latin Grammy for Jazz Album of the Year, Supernova, as well as a joint-Grammy with Charlie Haden for co-production of Nocturne, a Verve release of Cuban and Mexican boleros and ballads.

In 2010, Gonzalo founded his own record label entitled 5Passion with music enthusiast Gary Galimidi. He released his first independent offering on the label entitled “Fé” in November 2010. Gonzalo continues to tour the world as a solo pianist, and as band leader.

Gonzalo married in November 1986, and he and Maria now have three children, ages 14, 17 and 20. The family moved to Santo Domingo in 1992, and then to the US in November 1996. All members of his family are U.S. Citizens, Gonzalo and Maria becoming citizens in December 2003.

Discography

  • Mi Gran Pasion (1987)
  • Live in Havana (1989)
  • Giraldilla (1990)
  • Discovery: Live at Montreux (1990)
  • The Blessing (1991)
  • Images: Live at Mt. Fuji (1991)
  • Suite 4 y 20 (1992)
  • Rapsodia (1992)
  • Imagine (1993)
  • Diz (1993)
  • Concatenacion (1995)
  • Flying Colors (1997) ave Joe Lovano
  • Antiguo (1998)
  • Inner Voyage (1999)
  • Supernova (2001)
  • Inicio (2001)
  • Nocturne (2001) avec Charlie Haden
  • Paseo (2004) avec New Cuban Quartet (nommé aux Latin Grammy Awards 2005)
  • Land Of The Sun (2004) avec Charlie Haden
  • Solo (2006) (nommé aux Latin Grammy Awards 2006)
  • Avatar (2008)
  • Fé (2010)

Gonzalo Rubalcaba – Profil

Gonzalo Rubalcaba est un pianiste de jazz cubain né le 27 mai 1963 à La Havane.

Discographie

  • Mi Gran Pasion (1987)
  • Live in Havana (1989)
  • Giraldilla (1990)
  • Discovery: Live at Montreux (1990)
  • The Blessing (1991)
  • Images: Live at Mt. Fuji (1991)
  • Suite 4 y 20 (1992)
  • Rapsodia (1992)
  • Imagine (1993)
  • Diz (1993)
  • Concatenacion (1995)
  • Flying Colors (1997) ave Joe Lovano
  • Antiguo (1998)
  • Inner Voyage (1999)
  • Supernova (2001)
  • Inicio (2001)
  • Nocturne (2001) avec Charlie Haden
  • Paseo (2004) avec New Cuban Quartet (nommé aux Latin Grammy Awards 2005)
  • Land Of The Sun (2004) avec Charlie Haden
  • Solo (2006) (nommé aux Latin Grammy Awards 2006)
  • Avatar (2008)
  • Fé (2010)

En tant qu’invité

  • Mafarefun (Tony Martinez)
  • Habana Vive (Tony Martinez)
  • Rendezvous in New York (Chick Corea)

Gonzalo Rubalcaba – Perfil

Gonzalo Rubalcaba (La Habana, Cuba, 27 de mayo de 1963) es un pianistacompositorde jazz cubano.

Encuadrado en la era post-bop, Rubalcaba es un virtuoso instrumentista que está considerado como una de las principales figuras del jazz afro-cubano.

Aunque no estuvo motivado en razones políticas, emigró y vivió algunos años en la República Dominicana para más tarde fijar sus residencia definitiva en Fort Lauderdale, Florida, Estados Unidos de América.

Discografía

  • Concierto Negro (1987)
  • Mi Gran Pasion (1987)
  • Live in Havana (1989)
  • Giraldilla (1990)
  • Discovery: Live at Montreux (1990)
  • The Blessing (1991)
  • Images: Live at Mt. Fuji (1991)
  • Suite 4 y 20 (1992)
  • Rapsodia (1992)
  • Imagine (1993)
  • Diz (1993)
  • Concatenacion (1995)
  • Flying Colors (1997) con Joe Lovano
  • Antiguo (1998)
  • Inner Voyage (1999) con Michael Brecker
  • Supernova (2001)
  • Inicio (2001)
  • Nocturne (2001) con Charlie Haden
  • Paseo (2004)
  • Land of the Sun (2004) con Charlie Haden
  • Solo (2006)
  • Avatar (2008)
  • “Fé” (2010)

Gonzalo Rubalcaba- Der Stern aus Kuba

Gonzalo Julio Gonzales Ponseca Rubalcaba (* 27. Mai 1963 in Havanna) ist ein kubanischer Jazz-Pianist. Neben Cuban-Jazz-Rock Projekten pflegt er das klassische Klaviertrio.

Leben

Rubalcaba stammt aus einer musikalischen Familie und ist der Sohn des Pianisten Guillermo Rubalcaba und Enkel des Komponisten Jacobao Gonzales Rubalcaba. Er begann zunächst mit dem Schlagzeugspiel und trat bereits als Fünfjähriger auf. Zwischen 1971 und 1983 unterzog er sich einer klassischen Musikausbildung. Er studierte Perkussion, Klavier und Komposition am Konservatorium und anschließend am Havana Institute of Fine Arts (Abschluss in Komposition 1983). Neben der europäischen Konzertmusik beeinflusste ihn auch die populäre kubanische Musik, in der es Möglichkeiten gab, zu improvisieren und damit seine eigenen musikalischen Ideen einfließen zu lassen. Das erste Mal verreiste Rubalcaba außerhalb Kubas 1980 – mit 17 Jahren – nach Panama und Kolumbien; dann tourte er 1983 mit der berühmten Salsakapelle Orquesta Aragon nach Afrika und Paris. Dizzy Gillespie war der erste nordamerikanische Musiker, zu dem er Kontakt hatte. Als dieser 1985 zum Jazzfestival nach Havanna kam, hatte Rubalcaba Gelegenheit, sehr eng mit ihm zusammenzuarbeiten. Gonzalo heiratete im November 1986. Er und seine Frau Maria zogen 1990 nach Santo Domingo in der Dominikanischen Republik (seit 1996 leben sie in Florida und haben inzwischen drei Kinder von 8, 12 und 14 Jahren). In den USA konnte er erstmals 1993 nach der Fürsprache von Wynton Marsalis und der Witwe Gillespies auftreten.

Werk

Bereits während seines Studiums spielte er mit Frank EmilioChucho ValdesPaquito D’Rivera und Arturo Sandoval. 1985 stellte er seine eigeneGrupo Projecto auf dem North Sea Jazz Festival und dem JazzFest Berlinvor, mit der er an einer Fusion aus Jazzrock, Bop und dem kubanischen Son arbeitete. Seine ersten Aufnahmen machte er in den Egrem-Studios in Havanna Anfang bis Mitte der 80er Jahre (u. a. „Inicio“ – ein Solopiano-Album und „Concierto Negro“). Anfang 1986 veröffentlichte drei Alben auf dem Frankfurter Label „Messidor“ mit seinem Cuban Quartett: „Mi Gran Pasion“, „Live in Havana“, und „Giraldilla“. Diese Aufnahmen zeigen sein Temperament, seine Virtuosität und, dass er zu diesem Zeitpunkt schon vom Jazz beeinflusst war. Die Jazz-Elemente waren damals zwar Teil seiner Musik, doch arbeitete er noch mehr mit Perkussion, Rhythmik – Elementen der afrokubanischen Tradition. 1986 überzeugte Gonzalo Rubalcaba mit seinem Auftritt auf dem Havanna Jazz Festival. Er trat in einem Trio mit Charlie Haden und Paul Motian auf. 1989 holte ihn Charlie Haden zum Jazz Festival Montreal, um wieder in diesem Trio zu spielen. Die Aufnahmen wurden erst 1997 unter dem Titel „The Montréal Tapes: Charlie Haden with Gonzalo Rubalcaba & Paul Motian“ veröffentlicht. Ein späterer Mitschnitt des Trios vom 1990er Jazz Festival Montreux erschien 1991 als „Discovery“. Das zunächst veröffentlichte Studio-Album „The Blessing“ (mit Haden und Jack DeJohnette zeigt bereits den Jazz-Pianisten Gonzalo Rubalcaba. 1992 nahm er mit seiner neuformierten Band Proyecto Latino seine „Suite 4 Y 20“ auf. Im Laufe der nächsten Jahre folgten immer neue Platten wie eine Hommage an Dizzy Gillespie („Diz“) oder die gewaltige Latin-Jazz-Suite „Antiguo“, auf der er die Summe seines bisherigen Spiels und all seiner Einflüsse zog. Auffallend immer wieder seine bestechende, dabei aber wie selbstverständlich wirkende, Virtuosität. Bei genauerem Hinhören fallen aber auch große Besonderheiten in der Melodik auf, einer Melodik, die zwischen den Stilen hin und her springt – beginnend in der Sprache des modernen Jazzs, dann nahtlos in klassische oder kubanische Formen übergeht, als mache der Pianist zwischen ihnen keinen Unterschied. Mit „Inner Voyage“ leistete sich Gonzalo Rubalcaba eine Reise nach innen, forschte nach den Nuancen. In „Nocturne“ – ebenfalls einem sehr intimen Album, nahmen Charlie Haden und Rubalcaba 2002 kubanische und mexikanische Boleros auf – für Rubalcaba eine Art Tribut an die ältere Generation Kubas. 2001 tourte er mit vier verschiedenen Formationen u. a. im Duo mit Chick Corea, 2002 lotete er die Möglichkeiten der Triobesetzung aus im sehr kontrastreichen „Supernova”. Das Album „Paseo“ knüpft nun wieder an seine elektrischeren Fusionausflüge von „Antiguo“ an – Latin-Fusion, improvisierter Modern Jazz, Rückkehr zu den kubanischen Wurzeln.

Stil

Trotz seiner großen Bandbreite gilt Gonzalo Rubalcaba aber heute eindeutig als Jazzpianist. Aufgrund seines afrokubanischen Backgrounds und seiner früheren Percussion-Ausbildung spielt die Rhythmik in seinem Spiel eine wichtige Rolle. Er selbst sieht das Piano auch „als Teil der Percussion-Familie“. Ungeheuren rhythmischen, melodischen und harmonischen Einfallsreichtum zeigte er auch in „The Trio“ mit Brian Bromberg undDennis Chambers, indem er Jazzstandards ‚zerlegt’ und als völlig neue sehr eigene Stücke wieder zusammenbaut.

Diskografie (Auswahl)

  • Live in Havana (1987)
  • Mi Gran Pasion (1989)
  • Giraldilla (1990)
  • Discovery – Live At Montreux (1991)
  • The Blessing (1991)
  • Images – Live At Mt. Fuji Jazz Festival (1991, August 24th & 25th)
  • Diz (1994)
  • The Trio (1997)
  • Flying Colors (1998)
  • Antiguo (1998)
  • Inner Voyage (1999)
  • Supernova (2001)
  • Nocturne (2002)
  • Land Of The Sun (2004)
  • Paseo (2004)
  • Solo (2006)
  • Avatar (2008)
  • Fé (2010)

Der Stern des aus Kuba stammenden Pianisten, Komponisten und Bandleaders Gonzalo Rubalcaba strahlt heute heller denn je, und sein neues Album “Supernova” dürfte die Strahlkraft nur noch weiter erhöhen. Denn auf seiner nunmehr siebten Einspielung für Blue Note läuft der in Havanna geborene, 47  jährige Virtuose wieder einmal zur Hochform auf – mit unvergleichlicher Technik, weit ausholender Imagination und den besten Zutaten aus Jazz und kubanischer Musik.

Rubalcaba vermengt verschiedene Kulturen nicht etwa, weil es gerade im Trend liegt, sondern weil er seit seiner frühen Kindheit wie selbstverständlich mit ihnen konfrontiert wurde. Im Elternhaus zählte es zum guten Ton, sich aus kubanischer Perspektive mit amerikanischen, europäischen, russischen und spanischen Traditionen zu befassen. Hinzu kommt seine nicht unbedeutsame musikalische Ahnenfolge: Rubalcabas Vater etablierte mit anderen Musikern den Cha-Cha-Cha und leitet bis heute die renommierte Formation Charanga Rubalcaba, sein Großvater komponierte die bis heute gern gespielte Prozessionshymne “El Cadete”, deren Thema der Enkel nun zitiert und neu interpretiert.

Er ist einer der Musiker, die in den 90er Jahren viel dazu beigetragen haben, dass die Afro-Kubanische Tanz-Szene aufleben konnte. Rubalcaba ist ein talentierter Pianist, der es schafft, die vorteilhaftesten Elemente derkubanischen Musik mit traditionellem Jazz zu mischen und daraus eine neue Einheit zu schaffen.1963 wurde er in eine Familie von Musikern hinein geboren und begann im Alter von acht Jahren, Klavierspielen zu lernen. Die nächsten zwölf Jahre verbrachte er damit, seine Fähigkeiten an diesem Instrument auszubauen und seine Technik zu verfeinern. In dieser Zeit hatte er Auftritte in Nachtclubs und Bars in Havanna.

1985 entdeckte ihn Dizzy Gillespie und schon 1986 überzeugt er mit seinem Auftritt auf dem Havanna Jazz Festival. Er trat in einem Trio auf, in dem auch die Nordamerikaner Charlie Haden und Paul Motian waren. Sie überredeten ihn, auch bei den Jazz Festivals in Montreaux und Montreal aufzutreten und kümmerten sich um seine erste Aufnahmen beim Label Blue Note. Mit dieser Aufnahme erreichte er auch das US-Amerikanische Publikum. Mitte der 90er Jahre verließ er Kuba, ging aber, anders als die meisten seiner Landsleute, nicht nach Amerika.

Gonzalo Rubalcaba é dotado de uma técnica prodigiosa, com uma profunda imersão e conhecimento do jazz, com fortes raízes na nuance rítmica Afro-Cubana (Revista Downbeat).

Gonzalo Rubalcaba Quinteto

Gonzalo Rubalcaba é dotado de uma técnica prodigiosa, com uma profunda imersão e conhecimento do jazz, com fortes raízes na nuance rítmica Afro-Cubana (Revista Downbeat).

Gonzalo Rubalcaba Quinteto

19/11/2010

Virtuoso pianista, Gonzalo Rubalcaba é um músico que desenvolve uma linguagem musical com uma componente fortemente rítmica e influenciada pelas sonoridades da América Latina, assumindo o piano, na sua dimensão quase percussiva, uma influência na criação de uma dinâmica que sobrevive através de um conhecimento aprofundado das potencialidades do instrumento.

Depois de ter estado na quinta edição do Guimarães Jazz, em 1996, o pianista, vencedor de dois Grammys, repete a sua presença no festival.

Será interessante sentir as diferenças entre este concerto e aquele a que pudemos assistir há catorze anos atrás, percebendo que a evolução deste músico é de certa forma também uma manifestação visível da evolução do próprio festival.

Para ver no palco do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, dia 19 de Novembro.

João Bosco e Gonzalo Rubalcaba: música e alegria (foto: www.puntolatino.ch)

João Bosco e Gonzalo Rubalcaba: música e alegria (foto: www.puntolatino.ch) (www.puntolatino.ch)

Cuba e Brasil nas mãos de Gonzalo Rubalcaba e João Bosco

Músicas brasileiras com um toque cubano. E músicas cubanas com um toque brasileiro. Assim é o show de dois grandes músicos: Gonzalo Rubalcaba e João Bosco, que acabam de passar pela Suíça.

“É um encontro porque as culturas se fundem, mas não se sobrepõem”, define João Bosco. Nas apresentações que fazem pela Europa, eles reservaram dois dias à Suíça – Basiléia e Zurique. Até dia 12 de novembro, passarão por Espanha, Portugal, Áustria e Alemanha.

Homenagem a Moacir Santos

De acordo com o músico brasileiro, os dois são exigentes e querem gravar um repertório capaz de mostrar a musicalidade dos dois países – não apenas selecionar algumas composições. “Acho que no próximo ano poderemos produzir um disco com esse trabalho”, diz o pianista Gonzalo Rubalcaba.
A segunda música do show foi uma espécie de homenagem ao maestro pernambucano Moacir Santos, falecido recentemente, com a apresentação de April Child. “Queria muito que estivesse vivo para que ouvisse essa interpretação”, explica João Bosco. Para ele, os dois puderam brincar com as divisões rítmicas insólitas criadas por Santos. “Foi um maestro negro, escreveu como arranjador negro e compositor negro. Isso tudo toca muito a gente e sua música tem um ritmo fascinante”. O espetáculo começa com música brasileira, Senhoras do Amazonas, de João Bosco, e termina com a cubana Drume Negrita, de Ernesto Grenet.

Pureza na mistura

São acompanhados por Nelson Faria (guitarra), Ney Conceição (baixo) e Kiko Freitas (bateria), que há muito tocam com João Bosco. Em todo o repertório pode-se perceber a presença das duas culturas. Conhecidas músicas da bossa nova como Desafinado, de João Gilberto, ou mesmo Fotografia, de Tom Jobim, ganham um toque cubano, conferido pelo piano de Gonzalo.

“As duas culturas têm suas origens na mistura. A nossa pureza é a mistura e queremos experimentar um repertório para que Cuba e Brasil possam se fundir numa ambiência internacional com outros ritmos que também gostamos, como o jazz”, explica João Bosco.

Durante duas horas, sem pausa, o público acompanhou em Basiléia os caminhos musicais traçados pelos dois artistas. E marcaram o compasso do contagiante ritmo afro-latino com a discrição européia: leves movimentos dos pés ou das cabeças.

swissinfo, Lourdes Sola, Basiléia

25/08/2003 - 02h35

Gonzalo Rubalcaba apresenta-se em Ouro Preto e em São Paulo

CARLOS CALADO
Especial para a Folha de S.Paulo

Paulistas e mineiros terão a chance de apreciar mais uma vez, ao vivo, a música de um dos mais brilhantes instrumentistas de Cuba. O pianista e compositor Gonzalo Rubalcaba, 40, vai se apresentar dias 30 e 31, pela Mostra Sesc de Artes, em São Paulo. Depois encerra a primeira noite do Tudo É Jazz – Festival Internacional de Jazz de Ouro Preto, que acontece de 4 a 6 de setembro.

Falando à Folha por telefone da Flórida (EUA), onde vive, Rubalcaba diz que não se lembra de quantas vezes já tocou no Brasil. Desde 1991, quando estreou em São Paulo à frente do Grupo Proyecto, participou de festivais de jazz, como dos extintos Heineken Concerts e Free Jazz, além de tocar em algumas casas de shows. Três anos atrás, na última temporada paulista, firmou no palco parceria com os brasileiros João Bosco e Ivan Lins.

“Para mim, assim como para outros artistas, o mercado musical brasileiro é um dos mais difíceis no mundo. Não porque falte sensibilidade aos brasileiros, mas porque eles são muito exigentes. Essa exigência se explica pelo nível muito alto da criação brasileira. Por isso, tocar no Brasil é sempre um desafio, mas um desafio muito saboroso”, diz o pianista cubano.

Lirismo

Introduzido na cena internacional do jazz por ninguém menos que o norte-americano Dizzy Gillespie, em 1985, Rubalcaba despontou rapidamente como novo talento desse gênero.

Filho do pianista Guilhermo Rubalcaba, forjou um estilo bastante pessoal e lírico, que mescla influências de mestres do jazz, como Thelonious Monk, Keith Jarrett e Bill Evans, com a rica tradição musical de Cuba.

Além do jazz, a música brasileira também tem um lugar especial entre as fontes sonoras de Gonzalo Rubalcaba.

“Há muitos elementos comuns na música de Cuba e do Brasil, não só em termos de forma, mas também a atitude dos brasileiros, seu caráter e sua personalidade. É muito bonito ver que, apesar de tanta distância geográfica, há muitos valores e códigos dentro de nossas tradições que se relacionam”, analisa.

Essas afinidades, segundo o pianista, facilitam seu diálogo musical com o Brasil.

“Quando toco com João Bosco, com Ivan Lins ou outros brasileiros, eu não preciso usar códigos da música brasileira. Tocando somente com a experiência da música cubana, sinto que elas se unificam da melhor forma. Embora se acredite, mundialmente, que a música cubana é 90% ritmo, eu penso que há um erro nessa idéia. O cubano também é muito romântico, é muito melódico –fatores esses que também determinam a música brasileira”, diz.

Desta vez, tanto em São Paulo como em Ouro Preto, Rubalcaba vai exibir seu conhecido talento de solista. Somente nos shows da Mostra Sesc de Artes contará com a participação especial da cantora carioca Leny Andrade.

“Não me recordo de ter tocado com ela, mas já nos encontramos em vários países. Além do grande respeito musical que tenho por Leny, sinto um carinho incrível por ela. As ligações afetivas sempre ajudam muito a que nos entreguemos mais na música”, diz o pianista.

Outra cantora brasileira elogiada pelo instrumentista cubano é a paulista Luciana Souza, que também faz parte da programação da mostra do Sesc e do festival de Ouro Preto. “Luciana tem um enorme talento. É uma artista batalhadora, com um trabalho bastante positivo e profundo”, avaliza Rubalcaba.

Quanto ao repertório de suas apresentações, o pianista cubano é mais evasivo.

“Para mim é sempre difícil antecipar o programa de meus concertos”, diz, observando que, apesar de estar atualmente mais concentrado no repertório de seu último disco (“Straight Ahead”, de 2002, que inclui composições próprias e releituras de clássicos do jazz), nem sempre o toca.

“Só quando estou no palco, sentindo a energia da sala e da platéia, é que eu realmente decido o que vou fazer”, afirma Rubalcaba.

Carlos Calado é crítico de música e autor de “O Jazz como Espetáculo”, entre outros livros

Pianista cubano Gonzalo Rubalcaba toca na Sala SP 07 de abril de 2010

Projeto Guri reúne seu coral com o músico e a banda Mantiqueira em encontro inédito em São Paulo

Roger Marzochi – Agência Estado

“Eu sempre digo que a vida é uma ilusão. Quando ela morre ou desaparece, tudo morre.” A frase do pianista cubano Gonzalo Rubalcaba, em entrevista à Agência Estado, por telefone, revela o desafio de estudantes de música em transformar sonhos em realidade e o papel da arte na sociedade. O músico veio ao Brasil a convite do Projeto Guri para realizar na Sala São Paulo, às 21 horas, um encontro inédito com a Banda Mantiqueira e o coral dos meninos do projeto, a fim de divulgar o novo programa da entidade, que visa financiar os estudos de ex-alunos que optaram pela música como profissão. A “ilusão” do menino que respirava música em sua própria casa, por onde circulavam Frank Emilio, Peruchin, Felipe Dulzaides, que visitavam seu pai, o pianista Guillermo Rubalcaba, levou-o primeiro à bateria e, depois, ao piano, com o qual chegou a tocar com Dizzy Gillespie e a vencer até um Grammy de Jazz Latino com o disco “Supernova” escolhido como o melhor em 2002. Mas em seu último disco, “Avatar” (2008), ele revela outro importante motor rítmico da sua arte. “O que se passa em nível local, nacional e além da fronteira? Quais são os ares que estão soprando nesse momento na gente que trata de reorganizar o passado, a tradição?”

Ele também vai fundo na tradição musical cubana, dando-a novos arranjos e enxergando “portas” e “janelas” para expandi-las, tem também outra preocupação da relação entre o “antigo”, o “velho” e o “atual”. Além dos “ares” da arte, no fundo, ele também fala em sua música instrumental de política. Mudou-se de Cuba em 1992 para Santo Domingo, e depois, em 1996, para os Estados Unidos. Ele não gosta de falar sobre a situação em Cuba, mas afirma: “o fato de viver fora de Cuba explica muita coisa.”

Qual o significado desse show para você, uma vez que é uma iniciativa do Projeto Guri para divulgar o novo programa para dar suporte financeiro a seus ex-alunos?

Tem um significado nobre. E, também, de muita esperança e muita ilusão. E eu estou sempre disponível para qualquer tipo de evento que estenda a mão ao talento que está para se formar. Por outro lado, vir ao Brasil uma vez mais e tocar com uma banda como essa (Mantiqueira), me dá a possibilidade de conhecer um pouco mais sobre a música brasileira. E eu penso que fazer isso pessoalmente, terá uma transcendência muito maior que ouvir um disco. A Alessandra (Alessandra Costa, diretora executiva da Associação Amigos do Projeto Guri) que pensou nesse evento é uma pessoa muito afortunada por tomar essa iniciativa.

O que o levou até seu último trabalho, “Avatar” (2008)?

“Avatar” é olhar ao redor. O que está acontecendo? O que existe? Primeiro o contexto mais imediato do que se está vivendo. Depois, o que se passa em nível local, nacional e até além da fronteira? Quais são os ares que estão soprando nesse momento na gente que trata de reorganizar o passado, a tradição? Esse é o primeiro ponto. Aí descobri que tem uma série de jovens que estão conectados com uma mesma visão sobre como fazer música. Falo de jovens com 10 a 15 anos menos que eu, que começam a definir outras tendências de se projetar musicalmente. E, tudo isso, em um contexto muito agitado como é Nova York, com uma forte convivência cultural formada por americanos nativos tratando de preservar sua memória, os latino-americanos chegando, assim como os europeus e asiáticos. Essa geração da qual estou falando, no grupo de gente de Avatar é, até certo ponto, representativo de um coletivo tanto americano como latino, como cubanos, que tem a mesma aspiração: a integração.

Há obviamente uma questão política dos ventos que sopram nesse processo? Qual a opinião sua com relação a Cuba? É algo que você gosta de falar, ou você diz isso em sua música?

Está dentro da música. Mas o fato de viver fora de Cuba explica muita coisa. Isso vale para qualquer cidadão do mundo. O fato de deixar sua terra, deixar suas coisas, sua história para trás, e se aventurar a buscar um espaço fora do teu lugar, de competir fora do seu lugar. O fato de encontrar tribuna, cenários e estruturas fora do contexto já fala por si só.

Percebi que você não gosta de falar sobre isso.

Nunca o faço. Se faço, digo de maneira respeitosa. Da forma que não esteja fazendo uma luta a quem pensa diferente. Pelo contrário. O mais importante é escutar todos os lados. O mais importante é somar todas as opiniões. E essa soma é o sinal que se pode dar para uma opinião balanceada sobre Cuba ou sobre qualquer outro tema. Cada setor da sociedade sabe em que medida dizer a realidade que está vivendo. Em termos gerais, Cuba precisa do mesmo espírito da Revolução de 59. O que quero dizer com isso? Creio que há muito tempo a chamada Revolução acabou.

Sobre o show, será a primeira vez que você tocará com a Mantiqueira?

Sim.

Qual será o repertório?

Será basicamente brasileiro, com músicas de João Bosco, cuja obra eu conheço bastante. Terá as obras originais da orquestra também. Vou fazer alguma coisa sólo, vou tentar colocar duas peças de origem cubana tradicionais, com novos arranjos. Mas o som será, basicamente, muito brasileiro.

Todas as músicas tradicionais cubanas as quais você vem preparando arranjos e a base rítmica cubana têm essa transcendência também?

Tenho um critério sobre o antigo, que não é necessariamente o velho. O antigo nunca vai criar resistência a permanecer como parte do atual. Porque o antigo contém bases sólidas que determinam, ou determinaram, a atualidade. Se falarmos do velho, falaremos de coisas que serviram em algum momento, mas morreram, caducaram. E desapareceram porque não encontram função na atualidade. O antigo já mantém indicando um caminho cheio de valores e posições que podem conviver ou servir de estímulo para o que se faz na atualidade. Não estou dizendo que se deve repetir o antigo. Seria um erro.

No show, você comentou que pretende tocar duas músicas tradicionais cubanas. Quais são elas?

Cuba é muito rica em repertório. Tem muitos estilos. Mas me chama muito a atenção a época da Trova Tradicional, a Trova Antiga. Nessa época, se punha muito interesse num balanço entre a poesia, a função da harmonia e o motor rítmico. Havia uma integração, a música surgia como um todo, tanto no conceito métrico quanto harmônico, como uma ferramenta dramática para dizer a história por meio da poesia. Essa época foi extremamente importante para a música cubana. Estou falando de um gênero que contém tudo, letra, música, formato instrumental. Havia um pensamento virtuoso de como dizer a música, como dizê-la, como estruturá-la. Um tema muito significativo dessa época é a música Longina, uma música chave do período. Longina era mulher, supostamente pelo que diz a letra, voluptuosa com uma série de atributos tremendos. Mas era a capacidade que tinha o autor para descrever o que via, sem cair em nada banal, comum. E sim, a partir da realidade, tomava-se um voo de inspiração tão alto esses senhores quando narravam o que viviam que é o faz dessa uma obra permanente.

E no show você pretende tocar essa música?

retendo tocá-la porque tem muitas portas que se podem abrir. Portas e janelas para encontrar um modo atual de projetá-la. É uma proposta que segue dando oportunidades para trabalhar. Essa é a razão de ligar-me a ela, e minha possibilidade como músico. Quando encontro essa possibilidade, com um respeito tremendo com a música original. Mas essa possibilidade me toma muito tempo. Eu creio que seria infeliz de fazê-la exatamente como quando a criaram. Para homenageá-la tem que se encontrar um cenário apropriado. Onde está o ponto em que a música permite a troca ou a expansão? Para mim, é muito difícil fazer isso. Eu busco documentos sobre a música, a estudo, até me convencer de uma forma respeitosa.

Jazz Magazine-Italy-Sempre oltre i codici della musica

GONZALO RUBALCABA IL PIANISTA CUBANO CONTINUA A MUOVERSI A DISPETTO DELLE CONVENZIONI, ANCHE SE, PARADOSSALMENTE, IL SUO SPIRITO LIBERO E MODERATO NON PIACE AI FIDELISTI MA NEPPURE AGLI ANTICASTRISTI DI MIAMI

di Gian Franco Grilli


Su un vecchio numero di Musica Jazz ho letto che hai suonato, tra gli altri, con Los Van Van, Irakere e addirittura con Benny Moré. È vero?

Grazie per l’opportunità di correggere. Benny Moré è morto nel 1963, tre mesi prima della mia nascita; con Irakere non ho mai lavorato, mentre ho suonato con Los Van Van all’inizio del 1980, quando Juan Formell – il direttore della band – mi chiamò per sostituire temporaneamente César «Pupi» Pedroso, il tastierista del gruppo che si era infortunato. Giacché si parla di orchestre di musica ballabile, nel 1983 ho fatto parte dell’Orquesta Arag6n nella tournée in Congo e Zaire, con un salto anche a Parigi, interpretando pezzi di Rafael Lay e Richard EgOes, cha cha cha, danzan, bolero, guaracha, mozancha molto noti in Africa. Agli inizi ho condiviso un gruppo con Isaac Delgado, ho partecipato con José L. Cortés, German Velazco e altri ad alcune registrazioni di son moderno uscite a Cuba dall’Egrem con il nome Nueva Generaci6n. Inoltre ho inciso alcuni brani nei dischi del dominicano Juan Luis Guerra.

Ti destreggiavi con la tradizione dei ritmi afrocubani, ma il jazz? Era già il tuo linguaggio principale? Puoi farci un piccolo ritratto dalle origini?

Diciamo che vengo da una famiglia di musicisti. Mio nonno Jacobo era un famoso danzonero e mio padre Guillermo ha suonato il pianoforte per vent’anni con Enrique Jorrin, l’ideatore del cha cha cha, poi quando lasciò l’orchestra formò una band di famiglia, El Combo Los Rubalcaba, e io cominciai a suonare musica popolare nei cabaret e alla tv cubana. Lì ho avuto la possibilità di sviluppare il concetto dell’improvvisazione jazz che poi ho coltivato anche altrove, suonando la batteria. Infatti a metà dei Settanta, come batterista, creai Da Capo, un gruppo sperimentale tra latin jazz e fusion (mi rifacevo a Irakere), e con quello partecipai ai primissimi Jazz Festival all’Avana.

…quindi si inizia con la batteria e si finisce al pianoforte. Com’è successo anche a illustri tuoi connazionali: Emiliano Salvador, Omar Sosa e altri. Cosa c’è dietro?

Prima di rispondere tengo a ricordare che ho studiato contemporaneamente percussione e pianoforte. Sì, è un fenomeno curioso, quello di passare dalle pelli ai tasti, e oltre ai nomi citati puoi aggiungere Chick Corea, dalla batteria al pianoforte, mentre Jack DeJohnette fa il percorso inverso. lo penso che questo cambio sia dettato da necessità espressive: il pianoforte offre possibilità melodiche, ritmiche e armoniche senza eguali negli altri strumenti, e credo anche che questi strumentisti avessero in nuce la vocazione del compositore. Nel mio caso – anche se non pratico gli strumenti a percussione – continuano a crescere in me idee percussive che proietto sulla tastiera. L’evoluzione metrica, ritmica, le elaborazioni si svolgono mentalmente nella musica che si fa.

Quali sono stati i maestri della percussione che adoravi?

Erano diversi, ma i nomi più rappresentativi sono stati il multipercussionista José Luis «Changuito» Quintana, lo scomparso Daniel Diaz dell’Orquesta Ritmo Orientai (un timbalero molto innovativo soprattutto nella sonorità, con un set di percussioni molto particolare - timbales, cassa, rullante – e una fusione di stile nordamericano e afrocubano: in quel periodo quasi nessuno lavorava in quel modo), il conguero Tata GOines e il batterista Guillermo Barreto (ha suonato con l’Aragon). Questi erano per me i punti di riferimento più importanti.

E i tuoi idoli del jazz in generale?

Ho iniziato ad ascoltare Art Tatum, Bill Evans, Bud Powell, ma mi colpì il modo di suonare di Erroll Garner. Mi piaceva molto ascoltare altri strumenti e artisti come Wes Montgomery, Charlie Parker, Stan Getz e Dizzy Gillespie.

Dizzy è l’artista nordamericano che più di ogni altro ha dato dignità internazionale alla musica e ai musicisti di Cuba. Non credi che si meriterebbe un monumento o un parco pari almeno a quello riservato a John Lennon all’Avana?

Sono convinto che avrebbero dovuto farglielo, ancora prima della statua a Lennon, come riconoscimento non solo alla sua genialità musicale, ma all’intelligenza e sensibilità dimostrata a tutti i musicisti dell’America Latina. Gillespie nella sua band ha avuto sempre un musicista di origine latina: Mario Bauza, Chano Pozo, Ignacio Berroa, Danilo Pérez, Airto Moreira, Flora Purim, Giovanni Hidalgo, Lalo Schifrin, Claudio Roditi ecc. Ha sempre vissuto con l’inquietudine di conoscere e apprendere i codici che compongono la musica cubana, portoricana, argentina, panamense, brasiliana; voleva capirne gli elementi comuni, il suo progetto era quello di unire. E in questo senso una pietra miliare del suo lavoro è la United Nations Orchestra. lo Dizzy l’ho conosciuto quando stavo suonando al Cabaret Parisienne dell’Hotel Nacional dell’Avana, che era una sede distaccata del Festival 1985, e al termine dell’esibizione del mio gruppo venne sul palco e mi disse: «Sono Dizzy Gillespie, ti va di suonare con me domani?». Ovviamente accettai di andare con il mio Grupo Proyecto e così iniziò il nostro rapporto di amicizia e collaborazione.

Assieme a Irakere, negli anni Ottanta il Grupo Proyecto era l’eccellenza del jazz cubano, con uno stile originale che mescolava tradizione, elettronica, fusion. Hai mai pensato di riprendere quello scintillante progetto che hai portato in tutto il mondo e che ha fatto tappa anche in Italia?

È vero: ci siamo incontrati per un’intervista in una roulotte al Festival dell’Unità di Firenze, nel 1988, poi il concerto fu sospeso per maltempo. Di riunire il Proyecto non ho mai pensato, per la verità, anche perché i vari musicisti hanno preso diversi indirizzi e sono sparsi in giro per il mondo: Roberto Vizcafno vive in Messico, Felipe Cabrera in Francia, Reynaldo Milian a Cuba, Horacio «El Negro» Hernandez negli Stati Uniti, Julio Barreto (che sostituì El Negro) è in Svizzera e A breve credo non sia possibile, ma le vie del Signore .

La diaspora mi dà lo spunto per affrontare un argomento che cercai di sottoporre un paio di anni fa a un famoso musicista cubano, che si arrabbiò troncando l’intervista. Come si fa a mantenere la cubanità negli Stati Uniti, o in un altro paese, parlando inglese, mangiando, dormendo e sognando americano, non sentendo più il canto del gallo che ti svegliava all’Avana, la rumba di strada, i canti dei venditori? E tutto questo influisce nella musica?

Sono certo che incide nel nostro pensiero, e la musica ne risente. lo credo che perdiamo un po’ la quotidianità, ciò che accade ogni giorno, il funzionamento dell’intero quadro. È vero, non appartenere a un determinato ambiente sociale, ritmato in modo diverso, ti disconnette dal processo che definisce la cubanfa oggi, che è differente dalla cubanfa di quando ero piccolo. Quando ascolto qualcuno degli elementi del mondo che hai citato, per esempio la rumba callejera, in me si sprigionano emozioni e un’energia particolare, è un impatto forte che non sgorga, però, in un altro contesto, in un’altra realtà. Mi dai l’occasione di accennare alla diaspora: io prendo sempre l’esempio di Mario Bauza, che uscì da Cuba alla fine degli anni Venti (quando Fidel era appena nato) perché sentiva il bisogno di crescere soprattutto dal punto di vista professionale; a lui interessava vivere altre esperienze artistiche nel mondo, e sarebbe andato via con o senza Castro. C’è chi non ha varcato i confini e non uscirà mai da Cuba perché non è nei piani della sua vita.

Non è il tuo caso. Prima, un paio di anni a Santo Domingo; dal 1996 in Florida, dove i capi della comunità

cubana in esilio hanno boicottato i tuoi concerti, tempo addietro. Èvero? E ora, per essere accettato,

hai dovuto concedere qualcosa?

Alla prima domanda rispondo che è andata proprio così. Ma questo accade perché non si tiene conto che la mia (e quella successiva) è una generazione molto liberale, non appartiene a nessuna fazione politica, ama le cose equilibrate, una giustizia vera ma senza retorica, vuole che la gente possa esprimersi liberamente. E non si identifica con nessuna posizione estremista, un atteggiamento presente sia nel sud della Florida sia a Cuba. Quindi la nostra generazione ha dovuto far fronte a due problemi: a Cuba non poteva esercitare completamente questi diritti; a Miami trova qualcosa di analogo, non può dire tutto quello che vede, è una sorta di gioco degli specchi.

Insomma, tra incudine e martello.

Esattamente. A Cuba non vedevano di buon occhio un mio concerto a Miami, mentre qui i leader della comunità cubana hanno fatto di tutto per impedirlo. È stata una situazione complicata, ma poi ho acquisito la nazionalità americana (quella cubana non si perde), e comunque non sono mai sceso a compromessi per vivere in libertà la mia vita personale, pubblica e professionale. Èprobabile che questa mia equidistanza sia il fattore che infastidisce entrambi e francamente oggi non so se realmente sono accettato o meno in Florida, dove del resto non mi esibisco quasi mai: in dodici anni ci ho suonato tre volte.

Perché allora non hai deciso di trasferirti nella capitale del jazz?

Èvero che a New York ci sono più possibilità di accedere al mondo jazzistico, ma la mia scelta è di tipo unicamente familiare. Quando sono arrivato negli Stati Uniti avevo già una famiglia e dei bambini e mi sembrava difficile portarli a New York, con un tipo di vita più dura, a parte il clima. Non ho voluto esporre a un cambio così drastico i miei figli, il più grande dei quali è nato a Cuba, il secondo nella Repubblica Dominicana e la più piccola negli Stati Uniti.

Di movimenti significativi, invece, è costellata la tua vita artistica. Da Mozart ai Weather Report, dal danzan al bop, dal bolero jazz alla bossa, a John Lennon, e ora un’altra svolta. Cosa ti spinge a ibri ibridare il tuo pensiero con linguaggi sempre nuovi?

Non ho mai pensato ai generi musicali e non mi piace classificare la musica, perché ritengo che catalogare l’arte sia un aspetto più commerciale che creativo. Credo che il mercato – compresa a volte la musicologia tenda a fare categorie per la necessità di creare settori, tappe, periodi, tentare di spiegare il fenomeno e trovargli delle connessioni. Questo è un procedimento di ricerca e di analisi che non mi riguarda. Molto dipende da circostanze generali di vita: dalle persone con le quali ti confronti in un determinato periodo, cosa ricevi da quel rapporto, cosa leggi o studi, e ascolti.

Cosa ti ha spinto verso Richard Galliano? La voglia di confrontare le tue tradizioni fatte di danzan, habanera e tanqo-conqo con il jazz atipico di Richard che indaga tango, milonga e ehoro?

No, penso che gli artisti si cerchino senza volerlo, si chiamino, perché incontrano cose comuni. Questo progetto, raccolto nel Cd «Love Day», è il risultato di vari anni di lavoro individuale, dove ci sono vari elementi comuni a tutti noi: a me, a Richard, ma anche a Charlie Haden che vi suona il basso e a Mino Cinelu che suona le percussioni. Richard ha pensato ai musicisti che in questo momento ritiene più adatti per una certa direzione e sapeva che io, Charlie e Mino abbiamo lavorato sempre senza preconcetti e con differenti tipi di riferimenti culturali. Nel disco questo spirito viene fuori. Tutta la musica è composta da Galliano, con le influenze che lui ha ricevuto e i suoi punti di contatto con le varie musiche: la tradizione francese nell’ambito della fisarmonica, il tango argentino, i ritmi sudamericani, elementi della cultura francese passati a Cuba attraverso la contraddanza eccetera. Comunque questi sono incontri che fanno parte del destino.

Gian Franco Grilli

Return top